NOTÍCIAS

    O diabetes é uma doença que afeta cerca de 14 milhões de Brasileiros, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes. E, além de ser muito comum, suas complicações são bastante temidas: amputações, hemodiálise ou perda da visão, além de infartos ou derrames.

    O diabetes é uma doença que afeta cerca de 14 milhões de Brasileiros, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes. E, além de ser muito comum, suas complicações são bastante temidas: amputações, hemodiálise ou perda da visão, além de infartos ou derrames.

    O diabetes é uma doença que afeta cerca de 14 milhões de Brasileiros, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes. E, além de ser muito comum, suas complicações são bastante temidas: amputações, hemodiálise ou perda da visão, além de infartos ou derrames. Diante da gravidade do problema, é natural que busquemos incessantemente a cura da diabetes. Mas será que realmente a diabetes tem cura?

    Quando analisamos pela óptica da medicina, na realidade, o diabetes não tem cura. O que pode acontecer é que a pessoa passe a apresentar, durante ou depois de um tratamento, níveis controlados de açúcar no seu sangue, que podem até serem níveis normais. Mas, uma vez que a pessoa já foi diagnosticada com diabetes, ela será sempre diabética, bem controlada, mas terá que ter os cuidados e monitoramento regulares.

    Muitas vezes, fala-se em cura do diabetes quando, no caso do diabetes tipo 2, se a pessoa desenvolve a doença devido ao aumento de peso e ela emagrece, os níveis de açúcar se normalizam, e isto muitas vezes é visto como cura. Aqui, é importante entendermos que o que acontece na verdade é um bom controle da doença, mas caso a pessoa volte a ganhar peso, muito provavelmente a doença voltará a dar sinais nos exames de sangue.

    Além disso, o corpo sente em longo prazo os efeitos do açúcar elevado na corrente sanguínea, mesmo que este aumento seja por um período curto de tempo. Se uma pessoa teve o diagnóstico de diabetes e mudou seus hábitos, normalizando as taxas de açúcar em cerca de 3 meses, por exemplo, mesmo assim o seu corpo sentirá os efeitos desta descompensação no futuro, é a chamada memória metabólica do organismo.

    Dessa forma, mesmo que o paciente diabético esteja com suas taxas de açúcar normais e não esteja tomando nenhum medicamento, os exames de rotina anuais como fundo de olho para avaliar a retina, microalbuminúria para avaliar o rim, controle da pressão e colesterol devem ser feitos.

    Atualmente novas técnicas de transplante de pâncreas ou das ilhotas pancreáticas – que são as estruturas que produzem insulina – podem ser usadas para o tratamento do paciente diabético tipo 1, e menos comumente nos tipo 2. E mesmo assim, neste caso, com a total normalização dos níveis de glicose no sangue, o acompanhamento nos anos seguintes com os exames importantes para o diabetes deverá continuar a ser feito.

    Muito também tem se falado sobre a cirurgia bariátrica promover a cura do diabetes. E aqui o raciocínio é o mesmo da perda de peso. Mesmo que um paciente diabético tipo 2 se submeta a cirurgia e pare de usar medicamentos, se seus níveis de açúcar ficarem normais, mesmo assim ele ainda, a rigor, continuará sendo diabético – bem controlado, mas diabético. Nestes casos os especialistas chamam de remissão da doença e não de cura.

    Então, devemos desanimar? Claro que não! Na prática, para a qualidade de vida do paciente, a remissão do diabetes é tudo que um médico deseja para seu paciente. Quanto mais os níveis de glicose forem normais no sangue, menos complicações e maior qualidade de vida.

     

    FALE CONOSCO

    Invalid Input
    Invalid Input
    Invalid Input
    Invalid Input

    Regras Gerais


    RESIDENTE, PÓS-GRADUANDO, MESTRANDO E DOUTORANDO: acesse o site da faculdade, com o número de sua matrícula e nos envie o histórico escolar identificado ou a declaração de residência da instituição.


    A não comprovação das categorias implicará no pagamento da diferença com base na categoria Médico Não Sócio ou Médicos Sócios.

    Endereços para envio: e-mail caio@growup-eventos.com.br ou claudia@growup-eventos.com.br.


    Cancelamento da inscrição:

    A solicitação de cancelamento da inscrição deverá ser enviada por escrito até 07.02.19 para a secretaria executiva – Grow UP Eventos – Rua Alvorada, 631 – Vila Olimpia – CEP 04550-003 – São Paulo, SP.

    Os reembolsos serão efetuados após o Simpósio, a saber:

    Inscrições canceladas até 07.02.19 – ressarcimento correspondente a 70% do valor pago, descontadas taxas administrativas.

    Inscrições canceladas de 10.02.19 até 27.02.19 – ressarcimento correspondente a 50% do valor pago, descontadas taxas administrativas (bancárias ou cartão de crédito).

    O cancelamento solicitado após 28.02.2019 não será reembolsado.

    O ingresso ao evento é restrito a profissionais aptos a prescrição de medicamentos, conforme estabelecido na art. 13, da resolução RDC nº 102/2000 da ANVISA.


    **FORMA DE PAGAMENTO: DEPÓSITO IDENTIFICADO**

    Forma de pagamento: através de depósito bancário:

    Banco: Itaú – 341

    Agência: 0758

    Conta Corrente: 60843-4

    CNPJ: 30.902.670/0001-64

    Sociedade Brasileira de Diabetes - SBD

    Enviar comprovante do depósito para caio@growup-eventos.com.br / andre@growup-eventos.com.br



    Site: https://www.promotional.com.br/

    E-mail: feiras@promotional.com.br

    Telefone: +55 (21) 2126-2702


    Evento:

    SITEC 2019
    Simpósio Internacional
    de Tecnologias em
    Diabetes

    Data: 25 a 27 de abril de 2019

    Local:Hotel Pullman Vila
    Olímpia Rua Olímpiadas, 205 -
    Vila Olímpia São Paulo

    Como chegar

    Image
    Image
    Image
    Image